PIB de Goiás, em 2019, primeiro ano da gestão do governador Ronaldo Caiado, foi quase o dobro do registrado pelo Brasil, revela estudo do Instituto Mauro Borges


Produto Interno Bruto consolidado do Estado alcançou naquele ano crescimento de 2,2%, enquanto riqueza nacional ficou em 1,2%, mostra levantamento do IMB, com base nos resultados divulgados pelo IBGE. Indústria foi a que mais avançou. Vinha de um PIB negativo de -1,2% em 2018, na gestão anterior, e foi para o positivo, de 2,9%. “Se o prognóstico de 2022 é de apenas percentual de 1% para o Brasil, Goiás vai trabalhar para estar bem acima desta média”, afirma governador Ronaldo Caiado

O Produto Interno Bruto (PIB) consolidado do Estado de Goiás, em 2019, foi quase o dobro do registrado pelo Brasil. Enquanto a riqueza nacional apresentou crescimento de 1,2% naquele ano, o PIB de Goiás atingiu 2,2%. Os números fazem parte do mais recente estudo do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB), órgão jurisdicionado à Secretaria-Geral da Governadoria (SGG), segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O estudo, divulgado na sexta-feira (12/11), apresenta a variação real e a composição setorial do PIB de Goiás, que fechou em 2,2%, com resultado de incremento alcançado de R$ 7,3 bilhões. Esse desempenho dos setores que compõem o conjunto produtivo do Estado representa ainda uma importante recuperação da economia goiana, que vinha de queda de 1,4%, em 2018, no governo anterior. O crescimento em 2019, primeiro ano da gestão do governador Ronaldo Caiado, assegura a 9ª posição no ranking entre os Estados da Federação. A indústria foi a que mais cresceu. Vinha de um PIB negativo, em 2018, de -1,2% e foi para o positivo, de 2,9%.
“Conseguimos superar situações delicadas. Goiás estava entre os quatro piores Estados do país do ponto de vista fiscal, com colapso da máquina pública, mas nós avançamos e fomos os únicos a entrar no Regime de Recuperação Fiscal (RRF)”, destacou o governador Ronaldo Caiado.
Segundo o governador, Goiás é, neste momento, o Estado com maior capacidade de desafiar a crise provocada pela pandemia de Covid-19. “Somos riquíssimos, com capacidade produtiva nas nossas terras”, afirmou. Caiado lembrou, ainda, que o Produto Interno Bruto (PIB) goiano cresceu 4,4% no segundo trimestre de 2021, em comparação com o mesmo período do ano anterior, bem acima da média de outros estados. “Se o prognóstico de 2022 é de apenas um percentual de 1% para o Brasil, Goiás vai trabalhar para estar bem acima desta média”, acrescentou.

Sobre o desempenho da economia, o secretário-geral de Governo, Adriano da Rocha Lima, pontou a posição de destaque de Goiás entre os Estados da Federação. “No primeiro ano do governo Ronaldo Caiado, tivemos um crescimento significativo do PIB de Goiás. Ele cresceu quase 60% a mais do que em 2018, ano anterior”
 ,destacou. “Nós tivemos, em 2019, um PIB de 2,2% de crescimento, versus um crescimento de 1,4% em 2018. Mais importante do que isso, é que o PIB do Brasil, em 2019, ficou em 1,2%, deixando o resultado do PIB goiano 1,0% maior que a média nacional”, ressaltou.

O resultado do PIB goiano em 2019, mostra que Goiás viveu um movimento inverso ao da tendência nacional de queda, alcançando um crescimento de 60%. “Isso mostra como as políticas implementadas pelo governo estadual, com o objetivo de estimular a produção da indústria goiana, foram acertadas”, afirmou o titular da SGG.

Na composição da economia estadual, o desempenho da indústria revela que Goiás está “conseguindo diminuir o seu crescimento lastreado nas commodities e tendo maior investimento na indústria de transformação, gerando mais valor agregado para o que é produzido no Estado”, pontuou o titular da SGG.

A recuperação do PIB goiano, em 2019, ocorreu devido ao bom desempenho apresentado por todos os setores da economia. Nas atividades ligadas à indústria cresceu 2,9%, serviços (1,9%) e agropecuária (1,4%). Na passagem de 2018 para 2019, o valor adicionado cresceu 2,1% nas atividades do PIB goiano.

O secretário Rocha Lima explica que os ajustes na política fiscal adotada pelo governo Caiado no primeiro ano contribuíram diretamente no crescimento geral registrado e consolidado pelos dados do PIB.
“A política do governo, nessa gestão, está focada em acreditar nas potencialidades de Goiás e na sua capacidade de produção”, analisou o secretário. “O crescimento da economia leva ao aumento da arrecadação. O Estado ganha condições de investir em programas sociais, de intensificar política pública com base na responsabilidade, dando retorno ao imposto que é pago pelos goianos, e prestando serviços de qualidade para seus cidadãos e cidadãs”, concluiu.
Indústria e Serviços

O maior destaque entre os segmentos está na Indústria Goiana, que após um recuo de 1,8%, no ano anterior, voltou a crescer em 2019, atingindo 2,9% de participação no PIB estadual.

O titular da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), Joel de Sant’Anna Braga Filho, comentou os números e disse que apesar de todas as dificuldades enfrentadas naquele período, o governo conseguiu promover o crescimento do PIB da indústria e dos serviços.
 “É uma prova de que o governo, desde o primeiro ano, está no caminho certo ao promover o crescimento econômico”, comentou Joel.
Ainda de acordo com o secretário, os dados do Instituto Mauro Borges mostram que o crescimento da indústria de Goiás tem relação direta com a atual gestão, que promove a atração de investimentos, realiza ações conjuntas com o setor produtivo e é parceira do empresário que deseja se instalar ou ampliar suas atividades em território goiano.

“O empresário encontra as melhores condições no Estado. Logística privilegiada, localização estratégica, incentivo fiscal desburocratizado, segurança pública adequada e apoio do governo. O resultado é expansão da economia”, disse o titular da SIC. Já o setor de serviços alcançou crescimento de 1,9%, com ênfase para o setor imobiliário, que cresceu 0,6% e nas atividades relacionadas à arte, cultura, esporte e recreação, que avançaram 7,7% em relação ao ano anterior.

Agricultura

Com participação de 11,4% na economia goiana, a agropecuária apresentou crescimento em volume de 1,4%, em 2019. A atividade, composta por agricultura, pecuária, produção florestal e pesca, contabilizou R$ 1,271 bilhão a mais, em relação a 2018. De acordo com o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tiago Mendonça, os números comprovam a relevância do setor para o fortalecimento econômico de Goiás e são reflexos da importância dada ao agronegócio pelo Governo de Goiás.
“Em 2019, o governador Ronaldo Caiado recriou a Secretaria de Agricultura, que não fazia parte da estrutura de governos anteriores. Isso representou avanço para o setor, já que foi possível estruturar políticas públicas eficientes para a agropecuária goiana. Com mais ações, projetos e programas, conseguimos estimular a produção e a comercialização de itens do agro, impactando diferentes cadeias produtivas no campo e nas cidades”, finalizou.
Por Gessy Chaves
Jornalista
Foto: Secom
Share on Google Plus

About Grupo GBC

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão publicados.