Coluna Arte e Cultura: Villa Boa de Goyaz na linha do tempo


Com quase três séculos de existência, a Cidade de Goiás, antiga capital do Estado, continua encantando por sua cultura, costumes, pela arquitetura que conduz o visitante ao período áureo, uma viagem no tempo entre Minas de Goyaz, Capitania, Província do Império e Estado da República.

Caminhar pelas ruas de pedras é entrar em contato direto com a história vernacular, visualizar os monumentos e casas, é testemunhar ocularmente o colonial, o barroco, dentre outros, da lendária, misteriosa e cativante Cidade de Goiás.

Nasceu esta como Arraial de Sant'Anna, passou à Villa Boa de Goyaz, sendo depois elevada à cidade, com o nome de Cidade de Goiás.

Relembrar seu povo, seu cotidiano, suas particularidades, é firmar identidade, valoroso pertencimento. Rememorar o regionalismo de Hugo de Carvalho Ramos, os poemas de Cora Coralina, os contos de Octo Marques e tantos, tantos outros registros poéticos ou não, reais ou imaginários, é refrigerar a alma. Mesmo depois de peneirada, sacudida e explorada, sua vívida história continua como um rico filão de ouro para as gerações, um fino ouro de aluvião que não pode jamais ser levado para as terras de além-mar.

Sim, aqui temos o canto das cigarras, a Serra Dourada, o Canta Galo, o Rio Vermelho, a arte de Goiandira ... sim, cantemos as noites goianas.

Certamente antigos viajantes como Auguste de Saint-Hilaire, dentre outros, jamais poderiam ter imaginado que um dia, na linha do tempo, aquela Villa, fosse ser aclamada, amada e visualizada como cidade patrimônio, patrimônio de toda a humanidade.

Por Marly Mendanha
Foto:
Share on Google Plus

About Grupo GBC

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão publicados.