Caiado diz que vai convocar reunião, e pensa em fechar todo o comércio de novo



''Não podemos jogar por terra todo um trabalho de 40 dias''


O governador Ronaldo Caiado (DEM) declarou nesta sexta-feira (24) que avalia endurecer o isolamento social e fechar todo comércio não essencial novamente. O último decreto estadual autorizou a retomada de alguns setores da economia. No entanto, mais atividades foram liberadas por muitos prefeitos, o que preocupa o governo. Caiado afirma que o isolamento social no estado caiu para 42,5%.

O político ponderou que a decisão do Supremo Tribunal Federal permite aos municípios uma autonomia para definir sobre o isolamento social. “O que estamos assistindo agora é um prefeito disputando com o outro quem libera mais [o comércio]. Eu quero pedir a compreensão de todos nesse momento. Não brinquem. Nós podemos jogar por terra um trabalho de 40 dias”, disse.

Ao ser questionado se pensa em fechar todo o comércio, Caiado afirmou que avalia a situação. Ele destacou que o estado chegou a ser o primeiro do país no índice de isolamento social, com 66,4%, mas que agora está abaixo da metade.

“Penso [em fechar todo o comércio], sinceramente. Vou solicitar reunião com todos os poderes e avaliar”,
disse.

Boa parte dos municípios liberou atividades comerciais desde o dia 20 de abril, após o decreto estadual. Porém, todos os estabelecimentos têm que garantir medidas sanitárias para combater o coronavírus. Em Aparecida de Goiânia, por exemplo, a prefeitura autorizou a retomada de 80% do comércio a partir da próxima semana.

Caiado explicou que, mesmo com a construção de hospitais de campanha e a estadualização de outras unidades, se o número de casos aumentar muito rápido devido a essas medidas de flexibilização, não haverá capacidade para atender todos os pacientes.

“Nós não temos a infraestrutura. Nem mesmo o hospital de Águas Lindas, que é uma obra federal, não será entregue a nós com monitor nem com respirador. Se o paciente sobreviver com a máscara de oxigênio, bem. Mas se ele precisar ser entubado para receber uma respiração mecanizada, ele não tem como ser atendido”, disse.


Aglomerações

Desde a flexibilização do isolamento social, houve um aumento no número de usuários do transporte coletivo e no movimento de carros em ruas de Goiânia. Como o decreto estadual estabelece que os ônibus podem circular apenas com passageiros sentados, isso tem causado uma grande aglomeração e espera entre os usuários. Alguns deles chegam a ir sentados no chão para não se atrasar mais para o trabalho.

O governador ressaltou que os setores que tiveram a autorização para reabrir não causariam tamanha aglomeração. Algumas das atividades, inclusive, se comprometeram a oferecer transporte privado aos funcionários.

“Não tem uma explicação do porquê esse movimento todo. A menos que todos os outros setores, o comércio, estejam liberados. E isso não está no decreto”,
disse.

O governado acredita que haja uma subnotificação dos casos de coronavírus no estado. No entanto, não citou dados ou municípios onde o problema estaria acontecendo.

“O Lacen [Laboratório de Saúde Publica Dr. Giovanni Cysneiros] zerou todos os exames que chegaram até o final de semana. O que está ocorrendo é algo muito grave: o prefeito, não querendo saber se tem um maior percentual na cidade de casos, remete que existem suspeitos, mas não tem a coleta do material”,
completou.

Por Gessy Chaves
Joranlista MT/GO 3243
Fonte: G1Goiás
Compartilhe no Google Plus

Publicidades

1 comentários:

  1. Aproveita então e fecha a lotérica e os supermercados então porque esta lotado

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão publicados.