A arte de refletir - O Tempo


Caros Leitores do Jornal Classifique, o belo poema que aqui transcrevemos nos leva a uma reflexão honesta sobre a brevidade da vida. Lamentavelmente algumas pessoas vivem como se nunca fossem morrer ou precisar dos outros. O status e a arrogância são ilusões que nos fazem esquecidos de que o tempo é inexorável quando se trata do envelhecimento e morte das células que formam o corpo do feio e do belo, do pobre  e do rico, do famoso e daquele que vive no anonimato.

                 Sou o tempo que passa, que passa,
                 sem princípio, sem fim, sem medida!
                 Vou levando a ventura e a desgraça,
                 vou levando as vaidades da vida!

                 A  correr, de segundo em segundo,
vou formando os minutos que correm...
Formo as horas que passam no mundo,
formo os anos que passam e morrem.

Ninguém pode evitar os meus danos...
Vou correndo sereno e constante;
desse modo, de cem em cem anos,
formo um século e passo adiante

Trabalhai, porque a vida é pequena,
e não há tempo para demoras!
não gasteis os minutos sem pena!
não façais pouco caso das horas!
(Olavo Bilac)

Assim sendo, que a pressa do mundo, o brilho das fascinações, e os encantos e desencantos de tudo que nos cerca não nos impeçam de olharmos para dentro de nós mesmos.

Raimundo Aires Carneiro
Pastor da Igreja de Cristo de Goiás
Compartilhe no Google Plus

Publicidades

0 comentários:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão publicados.