18/10 - 15:21h - Universitário da Cidade de Goiás com surdez fica sem intérprete e colegas fazem greve

Aluno do curso de história está sem acompanhar as aulas desde setembro. Universidade de GO afirma que divulgou vagas, mas ninguém se habilitou.
 
Rodrigo perdeu 100% da audição aos 2 anos
(Foto: Rosemeire Vaz/Arquivo Pessoal)
Alunos do 4º período do curso de história da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) se solidarizaram com a causa de um colega com deficiência auditiva e decidiram entrar em greve na noite da última terça-feira (16). Segundo os estudantes, desde o dia 28 de setembro, Rodrigo Nascimento Guedes, de 21 anos, está sem acompanhar as aulas por falta de uma intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Por nota, a PUC informou que já abriu vagas para o cargo. Porém, alega que mesmo diante da divulgação das mesmas, nenhum candidato se habilitou. Segundo a instituição, todas as providências estão sendo tomadas para que a contratação ocorra o quanto antes.

A representante da turma, Rosemeire Vaz, afirma que a instituição foi acionada sobre o problema 30 dias antes do antigo intérprete sair, quando ele começou a cumprir aviso prévio. Porém, até agora, não houve reposição da vaga e o colega, segundo ela, segue sem acompanhamento. “Na semana passada, o Rodrigo se reuniu com o reitor da PUC e ele prometeu um intérprete para a mesma semana, mas o profissional não apareceu”, ressalta a aluna.

Com a ajuda de um intérprete, o G1 falou com Rodrigo na quarta-feira (17). Ele disse que se sente excluído. “Estou tendo muita dificuldade. Sinto-me sozinho na sala pela falta do intérprete. Estou prejudicado na aprendizagem porque os meus colegas tentam me passar o conteúdo, mas eu não consigo compreender”, lamentou.

Direito
De acordo com o artigo 23 do Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005, as instituições de educação superior “devem proporcionar aos alunos surdos os serviços de tradutor e intérprete de Libras - Língua Portuguesa em sala de aula e em outros espaços educacionais, bem como equipamentos e tecnologias que viabilizem o acesso à comunicação, à informação e à educação”.


Rodrigo com colegas do curso de história na cidade de Goiás(Foto: Rosemeire Vaz/Arquivo Pessoal)
Segundo a mãe de Rodrigo, Rosemeire Bento Nascimento Guedes, o filho perdeu 100% da audição aos dois anos, em decorrência da meningite. “Ele fica triste com a situação porque ele é muito esforçado. Trabalha e estuda para ser igual aos outros. Mas como ele não faz leitura labial, sem a intérprete fica difícil. Quando ele fez o vestibular, apresentou um laudo médico e a PUC sabia que estava recebendo um aluno com surdez”, lembra.

O maior medo da mãe é que as notas do filho caiam. E, segundo a colega Rosemeire Vaz, é justamente isso que está acontecendo. “Ele é um dos melhores alunos. Nós apresentamos muitos seminários e não tem quem reproduzir o que ele fala, então as notas estão caindo. É uma situação caótica”, diz a estudante.

Rodrigo afirma que ficou feliz com a atitude de solidariedade dos colegas e espera que a ação sirva não apenas para o intérprete volte a acompanhá-lo, mas também para que a instituição invista mais na acessibilidade. “Precisamos continuar mostrando que a acessibilidade é importante. Acho que essa ação pode gerar mais acessibilidade”, acredita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários anônimos não serão publicados.

 
© Copyright Jornal Classifique 2011 - Todos os Direitos Reservados | Powered by Grupo GBC.
Template Design iNOVA Criaçoes | Desenvolvido para Jornal Classifique e Novagraf